ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Tradução médica: o que esperar de um profissional desta área?

Como profissional e tradutora da área da Saúde, com certa experiência no assunto, resolvi escrever esse artigo para falar um pouco sobre a tradução de textos e artigos médicos. *Guest Post
A pergunta que não quer calar é se a tradução médica deveria ser feita exclusivamente por profissionais da área, ou seja, por médicos. Eu sou dentista, filha de médico, e convivi desde pequena com a terminologia própria dessa área. Na faculdade, como o primeiro ano é básico para Odontologia e Medicina, ampliei meus conhecimentos terminológicos na área médica e, depois de alguns anos, resolvi também me dedicar a traduzir Medicina.

Em minha opinião, a condição sine qua non para um profissional traduzir textos médicos reside no conhecimento da terminologia, dos jargões específicos que os mesmos apresentam, visto que a tradução incorreta dos mesmos pode implicar em uma compreensão errada por parte do profissional que lê o texto e que, às vezes, depende dessa interpretação para chegar a um diagnóstico correto.
Tanto os textos de Odontologia quanto os de Medicina são textos que tratam da saúde do ser humano e isso deve ser levado em consideração por parte do tradutor.

Em geral, os requisitos básicos para um tradutor são:

1)      Conhecimento do assunto sobre a qual trata o texto;
2)      Conhecimento da língua de origem;
3)      Domínio da língua para a qual o texto vai ser traduzido;
4)      Buscar sempre a clareza, sem prejuízo do conteúdo, pois se trata de documento técnico, que deve ser compreendido inequivocamente;
5)      Nos casos de dúvida, recorrer sempre a um dicionário, a um especialista na área ou consultar uma publicação sobre o assunto. Ler informações de fontes fidedignas da matéria em questão;
6)      Disposição de rever o texto tantas vezes quantas forem necessárias, até chegar à versão final.

E para um tradutor de textos médicos?

ü  Conhecimento da matéria que se vai traduzir.
ü  Na tradução de termos específicos, inicialmente, verificar a existência do termo na língua de chegada.
ü  Na tradução técnica médica utilizar a linguagem formal, observando a que público vai ser dirigido o texto.
ü  Manter o mesmo grau de “tecnicismo” que se observa no texto original.
ü  Atenção para os “jargões” inerentes à área médica. Ex: pruebas aleatórias = estudos randomizados.
ü  O texto traduzido deve tem de ser compreensível e agradável à leitura.
ü  Empregar as ferramentas para a tradução: dicionários, textos paralelos, Internet.
ü  Uso da terminologia específica.
ü  A tradução não deve violar regras gramaticais e deve expressar fielmente o que se quer dizer.
ü  Em caso de dúvida, consultar especialistas na área correspondente.
ü  Buscar um termo ou expressão que se adapte ao que se precisa definir.
ü  Respeitar as nomenclaturas normativas de caráter internacional.

A tradução médica não trata apenas de acessar bancos de dados para descobrir neles as chaves terminológicas que abrem as portas para uma boa tradução. É preciso que o tradutor armazene conhecimentos e experiências de vida e conscientize-se de que os textos médicos tratam da vida humana. Portanto, devem ser traduzidos com precisão cirúrgica.

Para encerrar, gosto muito da citação de José Antonio López Espinosa: “O profissional que traduz textos médicos tem uma grande responsabilidade, pois leva de um idioma a outros textos traduzidos cujo conteúdo pode significar a prevenção, o controle e o prolongamento de uma vida”.



*Texto de autoria de Marise Zappa
Tradutora espanhol>português>espanhol
Diploma internacional de espanhol na área da Saúde

2 comentários

adail disse...

Bem práticas e relevantes tuas considerações. De fato, é preciso conhecer bem o público e suas práticas linguísticas. Gostaria também de destacar que algumas publicações especializadas requerem formas específicas de uso da linguagem técnica, e por isso o tradutor tem de saber para que publicação está traduzindo.

Blog Anita Plural disse...

Muito bem colocado.
Acredito que o mesmo vale para qualquer área técnica em que o tradutor atue, pois não?
Um abraço
Anita Di Marco