Header Ads

Dica da Semana: Dicionário de ideias e afins



Desde muito cedo, as ideias borbulhavam, pulavam e rodopiavam constantemente na minha cabeça. Cada cena do meu cotidiano tomava formas grandiosas e fabulosas, tornando-se longas histórias. Gostava particularmente dos detalhes, das pequenas coisas (isso rendeu-me certo perfeccionismo resultante das incansáveis buscas por minuciosidade e acurácia nos meus trabalhos, além da péssima mania de contar em 20 minutos uma história que aconteceu em dois e, por isso, não conseguir escrever postagens pequenas).

Isso era tão intenso que às vezes pensava que ia explodir. Para isso não acontecer, precisava extravasar de alguma forma e então, primeiro, comecei a desenhar: criar histórias em quadrinhos, personagens e até plantas de casas (até hoje sou fascinada por aquelas que vem em jornal; também costumava passar horas olhando as revistas de arquitetura - talvez fosse mais uma vez os detalhes que me deixavam hipnotizada). Logo ganhei papel carbono usado (alguém aí lembra?), folhas de rascunho e muitos lápis de cor e gizes de cera. Meus pais achavam que eu seria arquiteta.

Depois, comecei a ler e, por fim, a escrever (escrevia tanto que agora achavam que eu seria escritora ou jornalista). A partir daí,  eu estava entre o sorver e o absorver: não queria só ouvir o que diziam os outros autores, também queria contar minhas percepções do mundo. E não queria repetir suas ideias; para ser autêntica, precisava usar minhas próprias palavras ou pelo menos palavras sinônimas às que eles usavam. Mas, como aos 12 ou 13 anos, nosso vocabulário é vasto, mas não requintado, isso era especialmente difícil. Foi quando caiu em minhas mãos o manual "Redação - Curso Básico", de Hermínio Sargentim.

Com esse manual, aprendi técnicas maravilhosas para minha idade e mesmo ambições. Treinava-as e copiava-as incansavelmente, de forma a absorvê-las por completo. Estava fascinada. Mas, o que realmente me deixou extasiada foi o Dicionário de idéias e afins, parte integrante do material de redação. É claro que os livros também ajudaram-me bastante na ampliação e amadurecimento do meu vocabulário, mas esse Dicionário foi realmente uma mão-na-roda. Também conhecido como dicionário analógico, por agrupar palavras que possuem entre si uma analogia, semelhança, o Dicionário proporcionou-me um leque de possibilidades com todos os seus antônimos e sinônimos e expressões.

Por exemplo, quando não conseguia pensar em uma palavra melhor para amor, ou mesmo para evitar sua repetição, o Dicionário dava-me a possibilidade de dizer que amor também era carinho, calor, paixão, Cupido, ninho, dois corações num só e outros substantivos relacionados. E se eu quisesse um verbo que passasse a mesma ideia de amor ou suas ações, eu poderia usar despertar paixão, queimar-se nos olhos, cultuar, amar com delírio, entre outros. Por fim, poderia dizer que esse amor era ardente, conjugal, filial, materno, platônico, entre muitas outras formas de adjetivá-lo.

Assim, o Dicionário ajudou-me a escrever boas redações, pequenos livros, letras de música, poesia e roteiro de teatro, tendo recebido prêmios na escola por isso. Se não me falha a memória, cheguei mesmo a escrever uma carta (sempre fui de escrever cartas) para o autor, agradecendo e parabenizando pelo ótimo trabalho. Nunca recebi resposta. Vamos acreditar que foi porque enviei à editora na época, do Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas (IBEP). De todo modo, é acreditando na sua eficácia que, mais de dez anos depois, continuo a usá-lo e resolvi indicá-lo no Dica da Semana.

Uma versão atualizada - que não conheço - está disponível em várias livrarias com o nome Pequeno dicionário de ideias afins, também de Sargentim. Para entender melhor como funciona, abaixo reproduzi os passos e imagens do autor sobre o que é, para que serve e como usar o Dicionário de idéias e afins, cuja edição ou ano não sei informar porque não constam no livro.

Espero que gostem e se possível adquiram essa excelente obra como forma de ajudá-los no processo de tradução de textos para o português, enriquecendo-os com nosso maravilhoso idioma e aumentando seu próprio vocabulário!

O que é o Dicionário de Idéias e Afins

O Dicionário de idéias e afins difere de outros dicionários que você conhece e consulta normalmente. Para explicar esse dicionário, é importante observar as características de outros existentes.

Há vários tipos de dicionários:
  1. dicionários de definição;
  2. dicionário de sinônimos;
  3. dicionário etimológico;
  4. dicionário analógico (de ideias e afins).
O dicionário de definição explica o significado ou os vários significados que uma palavra pode assumir de acordo com o contexto em que é empregada. Observe a palavra começo como aparece num dicionário de definição:

Aurélio Buarque de Holanda, Novo dicionário da língua portuguesa.
O dicionário de sinônimos especifica o significado particular de cada palavra. Começo, princípio, início são palavras sinônimas. Um dicionário de sinônimos mostra o significado específico de cada uma dessas palavras, orientando o seu uso.

Antenor Nascentes, Dicionário de Sinônimos.

O dicionário etimológico registra a origem e a história de uma palavra.

Antônio Geraldo da Cunha, Dicionário Etimológico
No Dicionário de Idéias e Afins as palavras são agrupadas de acordo com a área de significado comum. Observe, por exemplo, o conceito das palavras começo e ovo. Aparentemente, não há entre elas nenhuma relação de significado.




A área de intersecção C é comum a começo e a ovo. Entre essas palavras, existe uma idéia comum, uma afinidade, uma idéia afim.

O Dicionário de idéias e afins agrupa, portanto, palavras que possuem uma área significativa comum.

Ao procurar neste dicionário a palavra começo, você encontrará não apenas sinônimos, mas uma relação de palavras relacionadas à idéia básica de começo.

Reprodução de tabela do Dicionário de idéias e afins


Para que serve o Dicionário de Idéias e Afins

O Dicionário de idéias e afins é utilizado especialmente no processo de escrita de um texto. Você pode usá-lo em três momentos da escrita:

1º momento – Antes de começar a escrever um texto

Se você for tratar a respeito de um determinado assunto, pesquise a palavra-chave correspondente. Digamos, por exemplo, que o tema de seu texto esteja relacionado a guerra. As palavras referentes à idéia de guerra e ao mesmo tempo à idéia contrária, paz, podem oferecer e sugerir um corpo de informações que lhe permitem escrever com maior facilidade sobre o assunto.


Reprodução de tabelas do Dicionário de idéias e afins

2º momento – Durante o processo de escrita de um texto

Você está, por exemplo, contando uma história. No relato dessa história, você pretende dizer que a personagem X é bonita. Você pode escrever simplesmente:



Se você for pesquisar no Dicionário de idéias e afins a palavra beleza, encontrará uma série de palavras que lhe informam com maior precisão essa idéia.

Reprodução de tabela do Dicionário de idéias e afins
Essas palavras oferecem possibilidades de organizar a frase de várias formas. Você poderá dizer, por exemplo, que:

Marina é linda.
elegante.
graciosa.
atraente.
delicada.
etc.
 Marina é um encanto.
        uma ninfa.
        uma deusa.


O corpo de Marina encanta.
fascina.
seduz.
etc.


Essas são algumas das muitas possibilidades como você poderá apresentar a personagem. Evidentemente, você escolherá aquela possibilidade que traduz com precisão o que pretende informar ao leitor.

3º momento – Depois de ter escrito o rascunho do texto

Ao fazer a revisão do seu texto, você pretende substituir, alterar ou acrescentar uma palavra por outra de sentido mais específico. O Dicionário de idéias e afins poderá lhe oferecer oportunidade de encontrar a palavra exata.

Como usar o Dicionário de idéias e afins

As palavras básicas são apresentas por palavras-chaves antecedidas de um número.


Uma palavra-chave é normalmente seguida ou antecedida de outra palavra-chave que informa a idéia contrária.


Para cada palavra-chave, há uma relação de palavras distribuídas geralmente em três classes gramaticais: substantivo, verbo e adjetivo.

No índice, você encontrará em ordem alfabética todas as palavras apresentadas no dicionário. Cada palavra é seguida de um número correspondente à palavra-chave em que está localizada. Se você pretende, por exemplo, localizar a palavra calado, o índice informa:


Você irá encontrar a palavra calado no número 64, cuja palavra-chave é silêncio.

Reprodução de tabela do Dicionário de idéias e afins
Uma palavra pode aparecer em mais de uma palavra-chave. Nesse caso, o índice indica a sua localização de acordo com o significado.


Nas expressões, a palavra básica é substituída por um travessão. Observe como a palavra cabeça é indicada nas várias expressões constantes deste dicionário.


No índice, as palavras-chaves aparem destacadas em negrito.

O Dicionário de idéias e afins é um amigo no processo da escrita. Ele poderá tornar-se tanto mais útil a você quanto mais você se aproximar dele. Existem escritores que convivem diretamente com esse tipo de dicionário. Transformam-no em livro de cabeceira.

Na convivência com as palavras, você ampliará o seu universo vocabular e, certamente, adquirirá uma comunicação mais precisa.

Hermínio Sargentim.


Esse texto foi reproduzido de uma obra que possivelmente está protegida por direitos autorais. Não copie e cole sem citar o nome completo do autor e a forma de adquiri-la. Além disso, eu mesma recriei todas as imagens e ilustrações aqui reproduzidas, portanto, inclua a referência desse blogue.




Um comentário

Robson Marques disse...

Melhor postagem que encontrei sobre o assunto. Parabéns!

Tecnologia do Blogger.