ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Translation Cloud: um caso a se pensar



Você já ouviu falar do Translation Cloud ("Tradução em Nuvem")? Trata-se de um aplicativo que se autoproclama inovador por permitir que qualquer um trabalhe em casa como tradutor. Para se candidatar, basta ser fluente em pelo menos um par de idiomas. 

A ideia poderia até ser promissora e inovadora, já que embute em seu nome a nova tecnologia em nuvem, caracterizada pela aglomeração da informação em um ambiente virtual, isto é, em um servidor remoto que pode ser acessado de qualquer parte do planeta, evitando, assim, o sobrecarregamento das partes físicas do seu computador com o armazenamento de novas informações ou programas. 



No entanto, uma análise mais atenta mostra o contrário. Em primeiro lugar, até onde eu saiba, a maioria dos tradutores desde sempre trabalharam em casa. Inovador é dizer que isso é inovador. Em segundo lugar, para traduzir, não basta ser bilíngue fluente (veja mitos sobre tradutores aqui). Embora muitos tradutores comecem sua carreira porque conhecem um ou mais idiomas, a prática tradutória bem sucedida exige muito mais do que a faca e o queijo. Se fosse fácil assim, todo mundo era tradutor por aí, concorda? O traduzir requer prática, busca de conhecimento e aperfeiçoamento constante e, às vezes, tino. 

Não vamos nos restringir, contudo, a essas duas questões para recomendar, ao final, que se pense duas vezes antes de começar a interagir e compartilhar seus conhecimentos como tradutor no Translation Cloud. Para isso, é importante analisar como o aplicativo funciona, o depoimento de quem usou e leitura pormenorizada dos asteriscos de uma das propagandas mais enganosas da história da tradução.

Como funciona?

De acordo com Alex Buran*, idealizador e fundador do Translation Cloud, todo o trabalho é realizado online, na página do aplicativo. Após adicionar o aplicativo do Translation Cloud na sua conta do Facebook (se prepara porque aí vem acesso consentido às suas informações como todo bom aplicativo da rede social mais famosa do mundo requer) e iniciar a sessão, você pode começar a corrigir pequenos segmentos de um texto aleatório. Alguns desses segmentos precisam ser simplesmente editados com uma revisão, enquanto outros já se encontram revisados. Você, então, precisa revisar cada um dos segmentos com cuidado de forma a ter certeza que foram traduzidos corretamente. Se (e se somente se) sua tradução estiver correta, você será recompensado financeiramente por isso, em dólares americanos**. Você também pode ceder seu tempo voluntariamente e revisar os segmentos sem fins lucrativos. 





Sistema de Classificação

O aplicativo possui, ainda, um sistema de classificação baseado em um algorítmo que mede a sua pontuação, o "Translation Rank". Desenvolvido para avaliar o desempenho de cada e tradutor e detectar tradutores ruins ou trapaceiros***, até parece um ótimo sistema de meritocracia no qual os melhores tradutores se sobressairão enquanto os não tão bons ou simplesmente ruins serão desclassificados, pois, uma vez identificados, serão banidos do sistema do Translation Cloud e delatados na Lista Negra da Tradutores do Cheating Translators, uma página dedicada a denunciar esse tipo de profissional. É a mais perfeita forma de separação do joio e do trigo entre os tradutores inventada até agora (não fosse o próprio portal um charlatanismo daqueles).




É importante dizer que, caso opte por ser mão de obra remunerada, será preciso fazer um pequeno teste para avaliar seus conhecimentos nos pares de idiomas em que se diz "fluente", a fim de provar sua proficiência****.

Agora vamos aos fatos, isto é, às letras minúsculas indicadas pelos asteriscos, essa convenção social que estabelece os termos e as condições especiais para o serviço, mas que ninguém lê --apenas para reclamar depois. A fim de evitar esse tipo de raiva, decepção, desilusão e constrangimento, resolvi ter o trabalho de ler tais termos e condições e contar para você o que está por trás dos asteriscos acima.


Termos & Condições de Uso


Vamos começar pela parte financeira, que é a que interessa. Se você acha que trabalharia voluntário, não precisa ler isso, então avance uma casa. Mas caso precise de uns trocados, porque é isso que são, saiba que o retorno financeiro será entre $0.01 e $0.03 por palavra. Uma das justificativas para tal remuneração, de acordo com a página de Perguntas mais Frequentes, é que se paga pela revisão, não pela tradução. Pronto, está plantada a semente da discórdia, pois incita o embate entre revisores e tradutores na eterna discussão de qual trabalho é mais importante do que o do outro.
Outra justificativa é que o usuário não precisa adquirir ferramentas de tradução caras, o que faz com que economize com esse tipo de "gasto". Na minha opinião, isso é uma brecha para aqueles que não detém conhecimento desse tipo de instrumento, abrindo o leque de candidatos "aptos". Ainda pautando-se pela economia, a página alega que não é necessário se submeter a um processo de propostas de trabalho, poupando seu precioso tempo. E se tempo é dinheiro, esse é um bom negócio. 

A justificativa que deve agradar muita gente é a de que o trabalho é feito em casa, e tudo que se precisa é de um navegador e de acesso à internet. Aqui, assume-se que internet é de graça --e energia elétrica também. No entanto, se os responsáveis por essas justificativas têm consciência de que um computador e todos os seus apetrechos dependem de energia, sabem que esta não é de graça e muito menos movida pela simples força de vontade.
Por fim, a desculpa para pagar tão pouco baseia-se na alegação de que o trabalho é tão eficiente - por ser segmento por segmento - que um tradutor que trabalha regularmente pode entregar as traduções em uma taxa e a uma velocidade de aproximadamente 10 a 30 dólares por hora. Bom, se você é bom em matemática, calcule quanto tempo precisará traduzir e e ter seus segmentos aprovados para conseguir um mínimo de 10 dólares. Se achar razoável, então aceite o serviço. O pagamento é feito por um dos tipos de sistema que você escolher, como o PayPal, cuja taxa de pagamento mínima é 1 dólar. Faça o cálculo agora de quantos segmentos você precisa traduzir e ser aprovado, não se esqueça, para receber efetivamente 1 dólar. Isso, considerando que você vive com um dólar, é claro. Todos os demais tipos de pagamento são a partir de 100 dólares. Ainda está com a calculadora aí? Então não deixe de deduzir todos os encargos cobrados pelo PayPal para hospedar, transferir e, no caso do Brasil, converter o valor em reais.

Após atingir o valor bruto mínimo para pode ser recompensado, entre em contato com o Translation Cloud. Não adianta ficar esperando sentado, pois eles nunca vão se lembrar que você fez um serviço para eles. Além disso, visto que o aplicativo ainda está na sua fase beta, ou seja, fase de teste, o pagamento pode levar até uma semana para ser efetuado.


Se você ainda se sente inclinado a testar esse sistema, então vamos ser um pouco mais objetivos.

Uma denúncia (sim, quem sabe se com dramatização você não leve a sério), no Translation Directory revela que o Translation Cloud finge ser uma empresa séria quando, na verdade, ela é o joio --digo, a trapaceira da história. Ao que parece, trata-se de um sistema de fraude que utiliza ferramentas de tradução automática que, posteriormente, serão revisadas por pessoas bilíngues, o que não inclui, necessariamente, tradutores ou linguistas.

Tudo indica que  Alex Buran, o idealizador do projeto, está mais preocupado em enriquecer às custas de tradutores a custos reduzidos. Além disso, visto que os revisores/tradutores apenas têm acesso a segmentos separados, não há consistência nos projetos como um todo, o que pode gerar serviços de baixa qualidade e, consequentemente, tornar-se um falso engodo para os clientes que acreditam estar lidando com profissionais. Sobretudo, Buran aparentemente não possui formação ou discernimento inerentes aos linguistas ou verdadeiros profissionais de tradução para compreender ou avaliar as implicações de boas ou más traduções. 


Em resposta a essa "denúncia", Buran alertou, no fórum do Translation Directory, para que os participantes ficassem atentos a tais comentários, já que são de pessoas que não sabem sobre o que estão falando. Bom, a análise que fizemos mostra que, no mínimo, o método e a forma de tratamento utilizados pelo aplicativo são dúbios. Uma tradutora que se propôs a participar relata que um dos requisitos para ser aprovado como colaborador é a realização de um teste de proficiência, o qual, devido à baixa qualidade, é, no mínimo, uma das maiores piadas da história.


Mas se você quer ver o outro lado, leia (em inglês) com seus próprios olhos o que Braun diz sobre os tradutores, o que ele chama de mão de obra industrial contemporânea e retrata na imagem abaixo reproduzida. 




Tradutores autônomos do século XXI, de acordo com Braun

Mais uma vez, retoma o discurso do ambiente de trabalho caracterizado pelo conforto doméstico. Gostaria também de lembrar mais uma vez que trabalhar em casa não significa trabalhar de graça. Você continua a pagar impostos e a ter gastos. 


Se ele conhecesse a história da minha mãe, da sua cabeleireira e da sua vizinha, tenho certeza que a usaria para justificar seu ponto: minha mãe tem uma cabeleireira que mora a alguns quilômetros de casa. Para fazer uma escova, ela precisa ir de carro, gastando combustível e, depois, pagar a escova. A outra opção é chamar a vizinha, que mora no portão da frente e cobra mais barato. A teoria da minha mãe é que, ao precisar ir até sua cabeleireira, além de gastar com combustível, ela usa a água, o xampu, a energia elétrica e a mão de obra profissional, portanto, o serviço sai mais caro. Quando chama a vizinha, minha mãe já lavou o cabelo com seu próprio xampu e sua própria água, e é a vizinha que usa nossa energia, cobrando apenas pela mão de obra. 








A moral da história é que, na opinião da minha mãe, ao receber o serviço em casa, economiza mais. No entanto, se colocar na ponta do lápis, provavelmente ela perceberá que o gasto será o mesmo do que se buscasse a profissional, ainda que precise se deslocar de casa e pagar pelos recursos utilizados. Além disso, a vizinha nem sempre está disponível e, às vezes, toma até chá de sumiço, o que obriga minha mãe a procurar outra cabeleireira, mais próxima do que a da família, mas que é muito mais cara que as outras duas juntas. Nesse caso, o barato sai caro.


Da mesma forma, ao ver tal proposta, com tanto embelezamento, Braun quer que acreditemos que trabalhar em casa é mais cômodo e barato. E realmente é, mas não da forma como ele está pintando. Ele chama a indústria da tradução de conservadora - e realmente é - e que não houveram grandes progressos no sentido de inovação - tudo por causa dos tradutores autônomos. É aqui que peço um grande "oh, me poupe". Braun acredita piamente que seu sistema de "demitir" tradutores é realmente uma grande descoberta sua e que salvará o mundo dos tradutores ruins. Não vamos negar que a intenção é aparentemente boa, mas de boas intenções...Por isso, convido-lhe a pensar um pouco mais antes ficar com os pensamentos nas nuvens.

Nenhum comentário