ÚLTIMAS NOTÍCIAS

História de frases populares

Você sabe qual a origem de frases famosas empregadas no dia a dia? Reproduzo algumas que retirei de uma compilação da Estácio de Sá, mas você pode ver a coletânea completa aqui!



A OCASIÃO FAZ O LADRÃO 

Frase com certa sutileza malvada embutida. Dá conta 

implicitamente de que, havendo ocasião, surge inevitavelmente o ladrão. Diversos códigos penais basearam-se em tão triste concepção do gênero humano para vazar seus artigos. Segundo tal hipótese, o que garante não haver ladrões é um eficiente sistema de punição. Mas Machado de Assis (1839- 1908), ainda que tão cínico e mordaz, corrigiu a máxima com muita propriedade para: “Não é a ocasião que faz o ladrão, o provérbio está errado. A forma exata deve ser esta: a ocasião faz o furto; o ladrão nasce feito”. Pensando bem, é quase pior.


COMO VAI VOCÊ?

Olá, oi, bom-dia, boa tarde, boa-noite são as formas mais comuns de cumprimento, às quais foi acrescentada com o correr do tempo a expressão como vai você. Ao pronunciarmos esta frase, demonstramos interesse por quem cumprimentamos. Quanto ao aperto de mãos nessas oportunidades, o costume remonta a tempos imemoriais. Quem saudava queria mostrar que estava desarmado, pois tinha livres as mãos, e por isso o gesto era de paz. Antônio Marcos e Roberto Carlos consagraram a expressão em música famosa, gravada também por vários outros cantores: "como vai você / que já modificou a minha vida/ razão de minha paz já esquecida/ não sei se gosto mais de mim ou de você".


À BEÇA

Significando em grande quantidade, a origem desta expressão é atribuída à profusão de argumentos utilizados pelo jurista alagoano Gumercindo Bessa ao enfrentar Rui Barbosa (1849-1923) em famosa disputa pela independência do então território do Acre, que seria incorporado ao Estado do Amazonas. Quem primeiro utilizou a expressão foi Francisco de Paula Rodrigues Alves (1848-1919), presidente do Brasil de 1902 a 1906, depois reeleito, mas sem poder assumir por motivos de saúde, admirado da eloqüência de um cidadão ao expor suas idéias: “O senhor tem argumentos à Bessa”. Com o tempo, o sobrenome famoso perdeu a inicial maiúscula e os dois ‘esses’ foram substituídos pela letra ‘cê’.


A BOM ENTENDEDOR, MEIA PALAVRA BASTA

Dando conta de que não são necessárias muitas palavras para um bom entendimento entre as pessoas, esta frase está coberta de sutilezas, pois sugere que os interlocutores compreendem o sentido exato do que se disse por meio das mais leves alusões. Às vezes, é pronunciada também como advertência ou ameaça disfarçada de boas intenções. Os franceses são ainda mais sintéticos: para bom entendedor, meia palavra. Frase proverbial, este dito recomenda a concisão no falar, nem sempre aceita pelos latinos, cuja exuberância vai além da fala, estendendo-se também aos gestos. Entretanto, seus dois registros mais famosos foram feitos por autores espanhóis: Fernando Rojas (1465-1541), na célebre comédia A celestina, e Miguel de Cervantes Saavedra (1547-1616), em Dom Quixote, mas com a variante “A buen entendedor, breve hablador”. Exemplos de que não parecemos bons entendedores são nossas leis, inclusive nossa Constituição. No Brasil há leis definindo, para efeitos de comercialização, o que é ovo e que tipo de multa deve levar um carroceiro na cidade de São Paulo!


A BURRICE É CONTAGIOSA; O TALENTO, NÃO

Esta é uma das muitas frases célebres da autoria do crítico literário Agripino Grieco (1888-1973), famoso por tiradas cheias de verve e maledicência, proferidas contra pomposos escritores nacionais, até então convictos de que dado o ofício que praticavam, muitas vezes confundindo com sua posição social ou política, não poderiam ter suas obras criticadas, a não ser em comentários favoráveis. O corajoso paraibano, entretanto, culto e irônico, não poupava ninguém e legou à posteridade uma obra de crítica literária desassombrada, imune às tradicionais igrejinhas e confrarias tão presentes na cultura brasileira. Entre sus livros estão Vivos e mortos, Recordações de um mundo perdido e Gralhas e pavões. 


A CASA DA MÃE JOANA 

A expressão ‘casa da mãe Joana’ alude a lugar em que se pode fazer de tudo, onde ninguém manda, uma espécie de grau zero do poder. A mulher que deu nome a tal casa viveu no século XIV. Chamava-se, obviamente, Joana e era condessa de Provença e rainha de Nápoles. Teve vida cheia de muitas confusões. Em 1347, aos 21 anos, regulamentou os bordéis da cidade de Avignon, onde vivia refugiada. Uma das normas dizia: “o lugar terá uma porta por onde todos possam entrar”. ‘Casa da mãe Joana’ virou sinônimo de prostíbulo, de lugar onde impera a bagunça, mas a alcunha é injusta. Escritores como Jean Paul Sartre (1905-1980), em A prostituta respeitosa, e Josué Guimarães (1921-1986), em Dona Anja, mostraram como poder, o respeito e outros quesitos de domínio conexo são nítidos nos bordéis.


A DAR COM PAU 

Esta frase, indicando abundância, nasceu no Nordeste. Vindas da África, milhares de aves de arribação, extenuadas pela travessia do Atlântico, pousam nas lavouras em busca de alimento. Chegam cansadas e famintas, quase desabando sobre o solo. Os sertanejos, porém, não têm nada com isso e aqueles bandos representam séria ameaça às plantações. Ou eles matam as aves ou depois não terão o que comer. Desaparelhados para o combate, antigamente os agricultores matavam os pobres pássaros a pau, e não aparecia nenhum ecologista para defendê-los. O escritor Joaquim José da França Júnior (1838-1890), patrono da cadeira 12 da Academia Brasileira de Letras, registrou a frase famosa na comédia Direito por linhas tortas: “A mulher tomou sulfatos a dar com pau”. 


A PRESSA É INIMIGA DA PERFEIÇÃO

Esta frase antológica ao acervo de ditos célebres pela pena do famoso jurisconsulto brasileiro Rui Barbosa de Oliveira (1849-1923) ao comentar a rapidez com que se redigia o Código Civil Brasileiro, que trouxe em sua versão final preciosas anotações do mestre. Os detalhes sempre foram importantes, nas redações das leis como nas obras artísticas. Ao longo dos carnavais, várias foram às escolas de samba que perderam pontos importantes pelo desleixo com pormenores. O águia de Haia, como era chamado por sua atuação em famosa conferência que pronunciou na Holanda, acrescentou que a pressa é também “mãe do tumulto e do erro”.


A PREÇO DE BANANA 



A expressão remonta a um tempo em que a banana dispensava maiores cuidados e integrava aquelas frutas já existentes no Brasil antes do descobrimento, não sendo nem necessário plantá-la para que desse frutos. Acusados de indolentes e incapazes para o trabalho, os índios ficaram plantando bananeiras, em vez de cultivá-las, que é como se denomina a brincadeira que consiste em firmar as mãos no chão e elevar o corpo, de modo a que os pés semelhem a bananeira. Tal metáfora inspirou-se no formato do pé dessa erva de grande porte, cujo nome latino é musa paradisiaca (musa do paraíso), mas que entre sua parentalha conta com a banana-anã, a banana-caturra, a banana-d'água, a banana- nanica e outras. A banana petiça, que tem esse nome por ser baixinha, é a mais cultivada em todo o mundo, por ser tão profícua quanto as de maior porte, porém mais resistente aos climas frios. A banana esteve presente na condenação do primeiro herege brasileiro, Pedro de Rates Henequim, que entretanto veio para cá importado. Ele nasceu em Lisboa em 1680. Era filho ilegítimo de um cônsul holandês com uma moça portuguesa muito pobre. Viveu vários anos no Brasil e voltou para Portugal em 1722, tendo sido executado em auto-de-fé, em sua cidade natal, em 1744. Mas o que fez Pedro de Rates Henequim para ser queimado vivo em praça pública? Escreveu suas pouco famosas 101 teses, nas quais defendia idéias no mínimo curiosas e algumas delas muito divertidas. Henequim levou a sério as idéias daqueles que consideravam ser a América e especialmente o Brasil o mais aprazível dos lugares. Segundo a propaganda dos primeiros séculos, aqui não corria leite e mel porque os portugueses não tinham ainda trazido a vaca, mas o mel era conhecido dos índios, que o extraíam de favos na floresta. Para Henequim, Deus tinha criado o paraíso terrestre, o famoso Éden, no Brasil. Quando os primeiros navegadores chegaram, ainda puderam ver os últimos rastros de Adão na praia, quando de sua expulsão pelas hostes do arcanjo Miguel e sua espada de fogo. Convicto dessa certeza, passou a elaborar suas teses e desdobrá-las em complexas afirmações. O fruto proibido tinha sido a banana. Deus criara o mundo em língua portuguesa, o idioma oficial do céu. Assim, não dissera '”fiat lux”', que depois seria simples marca de fósforo, mas o elegante “'faça-se a luz'”. Bem antes de Freud, intuiu que o pecado original, sempre ligado à nudez e ao sexo, tinha outros símbolos fálicos além da serpente. Nem figos nem maçãs, como quiseram os renascentistas. Havia uma banana na História da Salvação. Para cometer o primeiro pecado, Eva não descascou o abacaxi, mas a banana.

CAIR NA GANDAIA

Cair na gandaia é variação de andar à e na gandaia e se aplica a quem leva vida de vadiagem, sem responsabilidades, viajando para muito longe, por muito tempo, sem dar explicações a ninguém. Pode ter havido influência da grafia equivocada de Catai, na Cochinchina, esta última com o significado de lugar muito distante. Catai passou a Gadai e daí a Gandaia. Viver na gandaia equivale a não trabalhar, entregar- se ao ócio. Gandaiar é também o ofício do trapeiro, segundo nos informa Raimundo Magalhães Júnior, que bisbilhota os lixos à procura de algo que lhe seja útil. Gandaia pode ter vindo do espanhol gandaya, derivação de gandir, comer. Os árabes, que ficaram sete séculos na Península Ibérica, têm o vocábulo gandur, peralta, travesso. Se o vocábulo é de origem controversa, a frase que o aproveita, entretanto, não deixa dúvidas sobre sua aplicação contemporânea: vive na gandaia quem não tem o que fazer. Às vezes, compulsoriamente, como ocorre aos desempregados, cujo número aumenta de forma preocupante nas ditas economias modernas. 


CHEGAR DE MÃOS ABANANDO 


Os primeiros imigrantes deviam trazer as ferramentas indispensáveis ao cultivo da terra, entre as quais eram importantes a foice e o machado, para a derrubada das matas. Dos colonos europeus esperava-se que trouxessem também galinhas, porcos e vacas, bases de uma economia auto- sustentável. Quem chegasse, pois, de mãos abanando, não vinha disposto a trabalhar. Manter, pois, as mãos ocupadas eram sinal de disposição para o trabalho e ajuda mútua. O imigrante, que no dizer de Ambrose Bierce (1842-1914), é um indivíduo mal-informado, que pensa que um país é melhor que outro, não poderia chegar de mãos abanando.

Nenhum comentário